Continuará a haver voos atrasados no futuro?

Em 2015, o tráfego aéreo de passageiros aumentou 2,9% na Europa, atingindo quase 900 milhões, ao passo que em termos mundiais aumentou 6,5%. Escusado será dizer que tanto as transportadoras aéreas como as respectivas infra-estruturas sofreram uma maior pressão e stress, o que por sua vez impactou nas suas operações e desempenho global. Segundo o Centro Europeu do Consumidor (CEC), 69% dos passageiros indicaram que a principal causa para a perturbação das suas viagens foi o atraso dos seus voos, 21% indicaram a bagagem perdida ou danificada e 15% o cancelamento dos voos. Perante isto, o que podemos esperar no futuro?

A Associação Internacional de Transportes Aéreos (AITA) prevê que a procura de transporte aéreo vai crescer a uma média de 3,8% ao ano. Isso significa que em 2034 o número de passageiros atingirá os 7 biliões, sendo que se espera que no caso europeu isso signifique um aumento de 591 milhões ao ano. Esse crescimento representará um desafio ainda maior para uma infra-estrutura já por si obsoleta e o resultado será um impacto negativo tanto ao nível das operações como da prestação de serviços.

Sim, ainda estamos longe de chegar a 2034, e como tal as previsões acima indicadas são altamente especulativas. Mas de qualquer das maneiras, e sob as condições actuais, não é muito plausível esperar que o crescente tráfego aéreo de passageiros possa ser facilmente absorvido pelas transportadoras aéreas e respectivas infra-estruturas. É preciso ter em conta que construir um aeroporto ou um terminal demora no melhor dos casos entre 3 e 6 anos.

Para as transportadoras aéreas, tentar actualizar as suas infra-estruturas ao mesmo tempo que o número de passageiros / consumidores e respectivas expectativas aumentam, e não obter um lucro muito elevado de forma a manter a competitividade criam um ambiente operacional extremamente difícil. Eu tenho testemunhado isso em primeira mão, e como tal não acho descabido prever um aumento de perturbações aéreas causadas por ajustes em termos de planeamento, mudanças de itinerário, substituição e remodelação de aparelhos, respeito pelos regulamentos e greves de trabalhadores.

Então, o que devemos fazer?

Em primeiro lugar, há que manter-se informado sobre os seus direitos enquanto passageiro e saber o que fazer na eventualidade de um voo atrasado, cancelado ou sobrelotado. O Regulamento 261/2004 da UE é firmemente aplicável e tanto o Conselho Europeu como o Tribunal de Justiça da União Europeia estabeleceram fortes precedentes declarando assim o seu compromisso em defender os direitos dos passageiros.

Em segundo lugar, e talvez ainda mais importante - toda a nossa equipa está a trabalhar no sentido de desenvolver um conceito e uma ferramenta que lhe permitirão manter-se um passo à frente, ultrapassar as adversidades resultantes de um atraso e receber a compensação na sua totalidade. Siga-nos de modo a garantir que é o primeiro a saber quando o lançarmos e a aproveitar as nossas ofertas promocionais!